Mãe de santo entra na igreja e pede oração

Mãe de santo entra na igreja e pede oração e depois aceita a Jesus como único e suficiente salvador , isso é louvável .

Vale a pena compartilhar .

Jeito alegre e comunicativo. Quem ouve falar dessas características naturalmente as atribui a pessoas cuja história de vida não envolvam grandes dificuldades. Todavia, o sorriso constante da missionária Sônia Santos, membro da nossa igreja na missão Barreiro, é prova viva de que é possível superar todas as coisas em Cristo.

A história de perdas começou na infância, ao sofrer assédio sexual dentro da própria família. Aos 14 anos, fugindo das dificuldades familiares, Sônia conheceu Pedro Santos, que, à época, era seminarista e sonhava entrar para o ministério da igreja. Eles se casaram quando ela tinha 15 e conceberam uma menina. O que, na verdade, parecia estar resolvido, foi o início de uma longa via crucis.

Em um trágico acidente, a filha faleceu com um ano de idade. Desiludida com a perda, Sônia se envolveu com o Espiritismo, inclusive, sendo consagrada mãe-de-santo. Já Pedro, devido à perda do irmão em circunstâncias também dramáticas alguns anos mais tarde, resolveu seguir a esposa na mesma trajetória espiritual, sendo rapidamente consagrado ao cargo de ogan – posição que lhe incumbia de atividades de liderança dentro do centro espírita onde congregavam. Segundo conta o casal, os sacrifícios de animais e o uso do sangue deles para determinados fins, eram os rituais mais comuns.

Depois de sofrer 4 abortos espontâneos, Sônia e Pedro conseguiram gerar 3 filhos, Pedro Henrique, Jonathan e Wilson. Mas a falta de recursos para o sustento da família era um desafio na vida do casal que sempre lutava com a dura realidade de não ter sequer pão para comer. Sônia lembra, aliás, que vizinhos evangélicos a socorriam nessas ocasiões, não obstante o tratamento ríspido que Sônia dispensava a eles.

Em um dos momentos mais críticos da sua caminhada, quando o filho Wilson começou a fazer uso de drogas, Sônia procurou auxílio na religião que frequentava, sendo aconselhada pelo pai-de-santo a só voltar ao centro depois de resolvido o problema. Sentindo-se rejeitada, ela decidiu não voltar mais àquele lugar. Chegando em casa, à sua maneira, ela perguntou a Deus o que poderia fazer. A resposta a essa oração veio no mesmo dia, quando o próprio filho dependente disse à mãe que não gostava de ser espírita e pediu que o acompanhasse em uma igreja evangélica. Então, no dia seguinte, numa sexta-feira, Sônia e o filho foram à Missão Getsêmani no Barreiro, onde participaram do culto de libertação. Ambos aceitaram a Jesus, desfizeram-se dos utensílios das sessões espíritas que eram realizadas em sua casa e iniciaram uma nova caminhada, na qual a luta contra o adversário que antes comandava as suas vidas passou a ser seu principal estandarte.

Com toda a família na igreja, a missionária Sônia considera que a maior ajuda veio da identificação com a Getsêmani. “A afinidade com a Getsêmani é inegável. Toda profecia que o pastor Jorge Linhares lançou sobre a minha vida se cumpriu, como ser missionária e pregar o evangelho, por exemplo. O pastor Jorge ainda profetizou ao meu marido que ele também sairia do Espiritismo e desceria às águas do batismo, o que de fato aconteceu”.

Logo nas primeiras semanas, a sede de colaborar com o Reino de Deus impulsionou Sônia e a sua casa a se dedicarem à obra. Começaram atuando no Projeto IDE, que lida com o apoio e assistência a dependentes químicos e moradores de rua.

Atualmente, além de pregação do Evangelho, Sônia tem se ocupado com a gravação do DVD intitulado “De mãe-de-santo a serva de Deus”, onde narra detalhes do seu testemunho de vida; bem como, trabalha no lançamento do livro “Meu caminhar até Jesus”, ainda em fase de preparação na Editora Getsêmani.

Anna Rodrigues

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome